8.6.09

O ministro chapado

por Leonardo Attuch, da revista Isto É.

Minc pode até não fumar um baseado, mas ele tem todos os sintomas

Os efeitos do THC, princípio ativo da maconha, no cérebro, são conhecidos: euforia repentina, seguida de falhas nas funções cognitivas, como desorientação espacial e lapsos na memória. No caso do ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, não se pode afirmar com certeza que ele seja um adepto da chamada "erva venenosa". Pode-se dizer apenas que é simpatizante da causa, por ter participado, já como ministro, de uma marcha pela descriminalização da maconha em Ipanema, no Rio de Janeiro. Mas a dúvida não impede que sua passagem pelo Ministério do Meio Ambiente seja comparada à queima de um longo baseado.Minc desembarcou em Brasília há pouco mais de um ano, trazendo um quê de euforia ao Planalto Central. Com seus coletes coloridos, típicos de um personagem pós-hippie, ele prometeu realizar ações midiáticas e espetaculares contra os desmatadores. Na primeira, levou a polícia e várias equipes de tevê para a fazenda do produtor Haroldo Uemura, na Bahia. De dedo em riste, deu um pito no agricultor diante das câmeras e rotulou como "soja pirata" a sua produção. Em seguida, soube se que Minc havia errado de endereço - teria sido a desorientação espacial causada pelo THC?Depois disso, o ministro decidiu atacar os "bois piratas" da Amazônia. Confiscou milhares de cabeças de gado e, em seguida, tentou leiloá-los. Não apareceram compradores, até que o Bertin decidiu adquirir um lote. Coincidência ou não, o Ibama, subordinado a Minc, "esqueceu" de cobrar uma multa de R$ 3 milhões do frigorífico - falha de memória por excesso de THC?É também sabido que a maconha é capaz de "abobalhar" seus usuários. Na semana passada, vítima ou não da substância, Minc negou a licença ambiental para uma importante estrada e acusou o colega dos Transportes, Alfredo Nascimento, de manter relações com empreiteiras. Definiu ainda os produtores rurais como "vigaristas" e insinuou que a principal líder do setor, a senadora Kátia Abreu, teria um plano para distribuir "bolsas-latifúndio" pelo País. Mais uma grande injustiça com os produtores de alimentos, pois o THC, além de atingir o cérebro, também produz efeitos devastadores sobre o estômago. O principal deles é a chamada "larica", uma fome descomunal que assalta o corpo assim que o efeito do baseado se esvai. Assistindo a tudo de longe, o presidente Lula classificou a fumaça causada por Minc como uma " algazarra" de meninos, mas agiria melhor se mandasse seu ministro do Meio Ambiente para bem longe. De preferência, para uma rehab - uma clínica de reabilitação, se não da maconha, ao menos do bom senso.

Um comentário:

Ricardo disse...

Por que será que a imprensa brasileira é tão contrária a gestões diferentes da rotina suja e injusta que nossos eternos governantes levam? Adoram críticar liberdade de expressão, como a do Sr. ministro. Veja os atuais acontecimento na USP, um reajuste salarial embargado a anos não tem valor, é coisa de vagabundo que quer tirar dinheiro das pessoas. Francamente, se nossa inflação estivesse estagnada e poder do compra desses funcionários fosse o mesm até hoje até vai, mas não. Ai os alunos apoiam a causa e são chamados de vagabundos com direito a balas de borracha. Agora vem a imprensa meter o pal numa nas unicas pessoas do governo brasileiro capaz de peitar aqueles que gostam da concentração de renda na mão de poucos. Acorda Brasil, a imprensa ta te manipulando e você nem percebe.